sábado, 19 de maio de 2018

Devocional de Hoje 19 MAIO




Paz a todos. Nosso devocional de hoje quero falar sobre invocar a Deus na hora da angústia.

Muitas vezes nos sentimos angustiados e sozinhos, achando que o Senhor está em silêncio conosco. Mas Ele nunca nos abandona. Ele sempre tem o controle de tudo e permite que alguma coisa nos aconteça para nos ensinar algo. Quando você invoca ao Senhor e confia, Ele te ouve. O seu clamor sempre chega aos ouvidos Dele. Portanto, confie no Senhor e descanse.

Leia a recomendação do Salmista: Na minha angústia invoquei o Senhor, sim, clamei ao meu Deus; do seu templo ouviu ele a minha voz; o clamor que eu lhe fiz chegou aos seus ouvidos. (Salmos 18:6).

prrodolfosilva.com.br

quinta-feira, 17 de maio de 2018

DEVOCIONAL

Devocional de Hoje, 17 de Maio

Nosso Devocional de hoje quero falar sobre *O Deus que surpreende*. Abaixo deixo 3 exemplos dessa verdade. Desejo que eles te animem nesse dia.

A viúva que foi atrás do profeta Eliseu queria apenas livrar seus filhos de serem escravos. 

Deus não somente a surpreendeu com um milagre suficiente para quitar a dívida impagável, como garantiu provisão para a sobrevivência dela e dos seus dois filhos. (2Rs 4.1-7);

Ana era estéril e o que ela mais queria era ser mãe.

Ana queria um filho e Deus queria um profeta. Deus ouviu sua oração e nasceu Samuel (1Sm 1.1-20). Samuel foi profeta e governador de Israel. Foi ele quem ungiu Saul e depois Davi como rei de Israel. Deus não só a surpreendeu com este grande filho, mas ainda lhe concedeu outros cinco (1Sm 2.21);

Raabe só queria salvar sua família (Js 2.1-14; 6.22-25). 

Toda a cidade de Jericó foi destruída, porém ela e a sua família foram poupadas e Deus ainda fez muito mais, colocou Raabe na genealogia de Jesus (Mt 1.5). O segredo foi que Raabe era uma mulher de fé (Hb 11.31).

prrodolfosilva.com.br




quinta-feira, 19 de abril de 2018

DISTINGUINDO O CAMINHO A SEGUIR
Mateus 7.13-14

Alguns de nós possivelmente já passamos por situações de indecisão acerca de qual caminho devemos seguir, quando em algum momento, conduzindo nossos veículos, nos deparamos com duas vias sem sinalização, e que parecem indicar o mesmo destino. Se não houver quem nos informe, ou se não estivermos com um mapa em mãos, ou ainda sem acesso a um GPS, certamente nos encontraremos em sérias dificuldades para prosseguir. Semelhantemente, Jesus apresenta aos ouvintes essa situação antagônica:

Duas portas...dois caminhos diferentes, mas uma escolha a ser feita. Segundo afi rma Warren W. Wiersbe, essas duas portas tratam-se evidentemente do caminho para o céu e do caminho para o inferno e acrescenta: ´Não se pode escolher duas estradas e tomar dois rumos diferentes ao mesmo tempo`. Isso nos mostra que nos é necessário fazer uma escolha.

O caminho a ser escolhido implica também em uma maneira de viver condizente à escolha feita. Sabiamente em seu discurso, Jesus nos dá a orientação certeira para escolhermos o único caminho que nos conduz à vida eterna.

segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018

OUÇA E RECEBA


Texto Base: Deuteronômio 6.1-3

Introdução: Quando somos confrontados pela palavra de Deus, somos elevados ou rebaixados pela forma que aceitamos ou não sua Palavra. Dar ouvidos e atender a Palavra de Deus é a garantia do nosso sucesso.

VAMOS ANALISAR ALGUNS TEXTOS QUE PROVAM ESSA VERDADE.

1.A PESCA QUE NÃO DEU CERTO DE INÍCIO – Lucas 5.1-6
·         No texto vemos uma pescaria que não deu certo.
·         Houve um trabalho a noite toda.
·         Os pescadores eram experientes – mas naquela noite nada conseguiram.
·         Estavam agora lavando as redes para ir embora/ cheios de frustração.
·         Mas Jesus chega antes de eles irem embora – impedindo a continuação da frustração.
·         Jesus se dirige a Pedro e lança a ordem: “VOLTE PARA O MAR E LANCE A REDE”.
·         O resultado após essa ordem foi determinado pela obediência de Pedro.

2.UMA CEGUEIRA QUE FOI REMOVIDA João 9.6-7
·         Nesse texto vemos Jesus fazendo algo inusitado/ faz um lodo e põe nos olhos do cego.
·         Talvez quem estivesse por perto viu esse ato de forma repugnante.
·         Mas Jesus nunca fazia nada sem propósito (Agora não entendemos, mas depois sim).
·         Após por aquele lodo nos olhos do cego Jesus libera uma ordem: “VAI E LAVA-TE”.
·         A atitude dele mediante essa ordem determinaria se continuaria cego ou não.
3.UM REI QUE FOI DEPOSTO – 1Samuel 15.1,9-11
·         Nesse texto, vemos Deus dando uma ordem direta a Saul.
·         E o destino do seu reinado seria determinado em relação ao que Saul faria quanto à ordem que recebeu.
·         Infelizmente ele não cumpriu toda ordem dada por Deus/ Não honrou ao Senhor.
·         A consequência disso foi a rejeição de Deus a Saul.

CONCLUSÃO: Deus quer que nossa vida seja abençoada e por isso precisamos ouvir e atender sua ordem.

domingo, 5 de novembro de 2017

A ARCA (Direção, Sustentação e Finalização) - Josué 3.1

INTRODUÇÃO: A passagem do Jordão é um dos episódios significativos para o povo de Israel, como também para Josué – que estava agora na liderança do povo.

Essa travessia daria o pontapé inicial às conquistas da terra a qual Deus havia prometido a eles. Nesse capitulo vemos um desfecho satisfatório da travessia, pois o povo pôs-se a obedecer as instruções de Josué dada por Deus. (A OBEDIENCIA ABRE PORTAS).

Dentro dessas instruções, estava a observância do povo em relação a ARCA., que representava a presença de Deus no meio do povo.

Assim podemos verificar claramente a presença de Deus ABRINDO – MANTENDO – FECHANDO a vitória do povo na travessia.

1.A ARCA ADIANTE DO POVO –v.6
·        Quem iria abrir caminho era Deus (v.3)
·        Um caminho que eles ainda não conheciam (v.4)
·        Deus na frente é sinal de vitória (DAVI E A COPA DAS AMOREIRAS). (1Cr 14)

2.A ARCA NO MEIO – v.17
·        O mesmo Deus que abre o caminho, sustenta esse caminho.
·        Sem a Arca no meio, as águas retornariam.
·        Deus sustenta sua vida.
·        Por isso o salmista diz: “Deus está no meio dela, não será abalada” (Sl 46.1)

Obs; No meio do Jordão Deus ordena a Josué que mande 12 homens, um de cada tribo e pegue uma pedra do meio do Jordão, para que sirva de memorial. (ISSO FALA DO NOSSO TESTEMUNHO DO QUE DEUS FEZ E FAZ EM NOSSAS VIDAS).
·        Foi feito um memorial no meio do Jordão (testemunho interno).
·        E outro fora do Jordão (Testemunho externo).

3.A ARCA ATRÁS – vv.16-18
·        Após todo o povo passar em seco a Arca sai do meio e vem atrás do povo.
·        Isso fala de Deus protegendo nossa retaguarda.
·        Deus finalizando a nossa vitória.
·        Ele na retaguarda nenhum inimigo aproxima (EPISÓDIO DE ISRAEL NO MAR VERMELHO).

CONCLUSÃO:
Deus deseja agir assim em nossas vidas. Em nossas famílias. Em nossa igreja. A vitória só é real quando ELE:
·        INICIA.
·        SUSTENTA
·        e FINALIZA


A Alegria do Senhor é a Nossa Força! (Neemias 8.10)


As experiências amargas podem nos tirar a alegria. Uma das maravilhas de Deus para nós é que essa alegria pode ser reencontrada na adoração e na palavra de Deus que alimentam a nossa fé.

O povo de Israel havia acabado a reconstrução dos muros de Jerusalém há poucos dias, mas parecia que isso não os tinha alegrado o suficiente. Assim como nós, eles precisavam descobrir ou redescobrir que em meio a tantos problemas e dificuldades reencontrar-se com Deus e a sua palavra, tem o poder de renovar a alegria, e que o passado deveria ficar para trás.

1º) O DESEJO DE OUVIR A PALAVRA RESTAUROU A UNIDADE (v.1).
O desejo pela palavra, sem máscaras ou acréscimos uniu o povo, porque eles queriam obedecer a Deus. Não há como obedecer a Deus à parte do entendimento das doutrinas da palavra de Deus (Jo 7.17). A unidade se torna visível naturalmente, porque não é um produto das ações humanas, mas acima de tudo, da ação de Deus nas nossas vidas. Quando queremos a Deus encontramos unidade, quando queremos concretizar os nossos sonhos particulares encontramos competição e partidarismo. A unidade é corporativa, não corporativista.

2º) O DESEJO DE OUVIR A PALAVRA PRODUZIU ADORAÇÃO GENUÍNA (v. 2-9).
O desejo de obedecer propiciou a perseverança para entender. Eles estavam ao ar livre; acomodados precariamente. A busca pelo conforto é inimiga do entendimento da palavra. Hoje queremos um culto que se pareça ao máximo com as nossas poltronas diante de uma TV. Que o pregador seja engraçado; que fale o que queremos ouvir; que seja breve. Aqui, o povo estava Atento (v.3), reverente (v.5). Reverência é mais que silêncio durante as reuniões; é o respeito que se deve ter com as coisas de Deus e os elementos litúrgicos do culto. Em adoração e louvor (v.6); buscando entendimento do ensino proferido (v.8) e quebrantado (v.9).

3º) O ENTENDIMENTO CLARO DA PALAVRA RENOVOU A ALEGRIA! (v.10-12).

O desejo de obedecer não deve nos levar à tristeza, mas à alegria e à comunhão (Sl 126 e 137), porque “a alegria do Senhor é a vossa força” (v.10). Porque dela tiramos forças; porque ela expressa a nossa força, ou seja, a nossa força como povo de Deus é a alegria de servir a Deus.

quinta-feira, 2 de novembro de 2017

1Co 9.24-26 CORRIDA CRISTÃ

Estamos em uma grande corrida. Essa corrida é denominada pela Bíblia, como uma corrida cristã. Nessa corrida somos exortados a não desanimar, mas sim, agir com determinação. O nosso alvo é chegar ao céu, e nossa recompensa é incorruptível.

Deixo abaixo alguns aspectos:




1.NA CORRIDA CRISTÃ TEMOS QUE NOS ESFORÇAR.

  • Deus nos fortalece para essa corrida.
  • Nos capacita através do Espírito Santo.
2.NA CORRIDA CRISTÃ HAVERÁ OBSTÁCULOS.
  • Jesus mesmo disse que no mundo nós teríamos aflições.
  • Vejamos alguns:
Idade
Medo
Falta de fé
Tempo
Circunstancias, etc

  • Para Bartimeu o obstaculo da cegueira não o impediu de clamar.
  • Para a mulher que padecia de um fluxo de sangue a multidão não a impediu de tocar nas orlas de Jesus.
  • Para Jairo, mesmo recebendo a noticia da morte de sua filha, decidiu crer nas palavras de Jesus para ele (NÃO TEMAS, CRÊ SOMENTE).
3.NA CORRIDA CRISTÃ TEM QUE HAVER PREPARAÇÃO.
  • Essa preparação envolve as disciplinas que o atleta deve observar.
  • Oração.
  • Palavra
  • Jejum